Secção Ruínas
Página de EntradaPesquisarMapa do SiteAjudaPerguntas Mais Frequentes
Página de ENtradaPesquisarMapa do SiteAjudaPerguntas Mais Frequentes saltar menu: ALT+x
Casa do Tridente e da Espada

Escavação:
A escavação da zona E, por iniciativa
da Direcção Geral dos Monumentos
Nacionais, não pode ser precisada no
tempo. Deve ter-se iniciado depois de
1936, surgindo já representada em
plantas em 1962.

Documentação disponível:
Planta 1/50 (Virgílio H. Correia) de 1997.

Caracterização sumária:
Residência parcialmente escavada,
formando provavelmente parte
substancial de uma ínsula. Não foram
publicados relatórios dos trabalhos.

Referências bibliográficas:
Alarcão 1992, 52; Correia 1994,
329-330 e fig. 2.




Mapa das Ruínas de Conimbriga, com a Casa do Tridente e da Espada seleccionada
Fotos alusivas à Casa do Tridente e dos Esqueletos. Estes links abrem uma nova janela Planta da Casa do Tridente e dos Esqueletos Foto da Casa do Tridente e dos Esqueletos Foto da Casa do Tridente e dos Esqueletos Foto da Casa do Tridente e dos Esqueletos

A construção conhecida como casa do tridente e da espada é um conjunto de três compartimen-
tos integrados numa casa de maiores dimensões, de que são todavia autónomos. A parte principal da casa está muito incompletamente escavada, razão pela qual a sua análise não é fácil.
A entrada na casa era dupla: uma porta provida de trinco aberta a Oeste, dando acesso a umas fauces pelas quais se chegava ao canto do peristilo central e, a partir da mesma soleira, uma pequena porta lateral pela qual se entrava numa sala sub-dividida por um tabique, que por sua vez dava acesso às mesmas fauces. Do peristilo, de planta ligeiramente irregular, acedia-se a outras salas, uma das quais era pavimentada a mosaico (mas do qual apenas se conhece uma pequena área de cerca de 50 cm2), havendo ainda uma sala de dimensões razoáveis a Leste e parecendo poder reconstituir-se um oecus a Oeste. A restante estrutura da casa é hipotética, ainda que os limites da edificação sejam bastante seguros, pois são definidos pelos eixos viários conhecidos.

Retroceder
English
2002 @ Museu Monográfico de Conimbriga / IPMWebdesign: Mediaprimer.pt